Abdallah Abbahah suspende greve de fome após 44 dias

PUSL.- Segundo informação da familia o preso politico Abdallah Abbahah suspendeu hoje a sua greve de fome que iniciou a 1 de Outubro passado.

Abbahah que tinha perdido a consciencência e a quem foi administrado soro, suspendeu a sua greve de fome após o director da prisão lhe ter dito que podia parar que tudo ia ser resolvido.

Os 44 dias de greve de fome tiveram um impacto enorme na saúde de Abbahah que se encontra em confinamento prolongado há mais de 8 meses. O estado de saúde de Abbahah é alarmante, fruto não são das torturas sofridas e continuos maus tratos, assim como negligencia médica desde a sua detenção em 2010.

El Bachir Khadda em situação idêntica encontra-se também em situação de saúde alarmante após ter efectuado uma greve de fome de 43 dias. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Abbahah preso político saharaui em perigo de vida – Marrocos rejeita medidas provisórias do CAT

PUSL.- Abdallah Abbahah, preso político saharaui do Grupo Gdeim Izik, que está em greve de fome desde 1 de outubro, foi transportado hoje da prisão de Tiflet2 para o hospital depois de ter perdido a consciência durante várias horas.

No hospital, foram-lhe dados 2 litros de soro e em seguida foi transportado de volta para a cela da prisão, onde permanece em confinamento prolongado desde 7 de maio de 2018.

Devido à greve de fome, Abbahah tem sérios problemas cardíacos, vômitos, dor intensa em todos os seus órgãos, não consegue ficar de pé ou andar.

No início desta semana, uma médica visitou-o na prisão e disse-lhe para parar a greve de fome e parar de lhes dar “problemas” para que pudessem descansar.

O director da prisão disse-lhe repetidamente para parar a greve da fome e que as autoridades marroquinas não têm responsabilidade sobre a sua saúde. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

O Comité contra a Tortura da ONU pediu a libertação imediata do preso político saharaui Abbahah

PUSL.-Segundo as nossas fontes, uma queixa individual foi apresentada ao Comitê contra a Tortura (CAT) em maio deste ano pela advogada de Abbahah, Maître Olfa Ouled. O CAT respondeu imediatamente após o pedido de medidas urgentes e pediu ao Governo marroquino que pusesse fim aoisolamento prolongado a que Abbahah está sujeito há mais de oito meses.

Abbahah dever ser libertado devido ao seu estado de saúde, disse o Comitê.

As medidas provisórias (medidas urgentes) são exigidas pelo CAT como uma proteção até que a decisão final sobre o caso seja dada.

A advogada Olfa Ouled não quis comentar sobre os procedimentos em curso no Comitê contra a Tortura, já que esses procedimentos são longos e confidenciais.

Mas a advogada de defesa de 18 presos políticos do Grupo Gdeim Izik reafirma que continuará a lutar na frente legal para proteger a vida desses homens inocentes que estão a morrer. Segundo ela, todo o grupo tem que ser protegido, uma vez que são infligidos danos propositados ​​à sua saúde. Read more

Ayúdanos a difundir >>>