Marrocos enterra corpo de Brahim Saika clandestinamente

brahim saika4 de agosto de 2016, porunsaharalibre.org / Fonte: Familia de Brahim Saika

Segundo denúncia da família de Brahim Saika, as autoridades marroquinas enterram o seu corpo, sem autorização da família, esta manhã, dia 4 de Agosto, em Guelmin.

Brahim Saika foi detido no dia 1 de Abril por organizar protestos pacíficos, era dirigente da Coordenadora de Saharauis Desempregados e faleceu dia 15 de Abril após ter sido sujeito a tortura e iniciado uma greve de fome, acabando por entrar em coma. As autoridades do hospital recusaram a realização de uma autópsia que confirmasse o motivo da morte, apesar de ter sido insistentemente solicitado pelos familiares.

111 dias depois da sua morte e sem a realização de uma autopsia independente conforme exigido pela família o corpo do jovem saharaui foi enterrado às escondidas pelos responsáveis da sua morte.

O facto das autoridades marroquinas enterrarem o corpo de forma clandestina, sem informar a família, confirma as acusações da família contra o estado marroquino. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Morre Brahim Saika, sindicalista e preso político saharaui após ser torturado e passar varios dias em greve de fome

ce4ac879-0621-4b9e-a5da-2517e2d8896eFonte: Activistas saharauis de Gulemin, 15/04/2016

O preso político saharaui Brahim Saika morreu hoje num hospital em Agadir (Marrocos), depois de estar um coma ha vários dias após ter sido detido arbitrariamente e torturado na esquadra de Gulemin.

Brahim Saika, de 31 anos, graduado da universidade com um mestrado em sociologia, foi um dos líderes da Coordenadora dos saharauis desempregados, preso no dia 1 de abril depois de sair da sua casa na cidade de Gulemin. A sua detenção ocorreu quando tentava realizar um protesto pacífico para chamar a atenção para a situação dos desempregados saharauis. Ele foi imediatamente levado para a esquadra, onde foi torturado durante horas. Brahim, decidiu iniciar uma greve de fome para protestar contra os maus-tratos a que estava a ser submetido, tratamento habitual a que são sujeitos os presos políticos saharauis. Read more

Ayúdanos a difundir >>>