Esquerda Unida (Galiza) denuncia atitude “cínica” da Comissão Europeia em relação a Marrocos e a pilhagem dos recursos saharauis

PUSL .- A Izquierda Unida divulgou hoje um comunicado de imprensa no qual caracteriza a resposta da Comissão Europeia (CE) como cínica. A resposta em questão está relacionada com a pergunta apresentada pela eurodeputada Paloma Lopez deste partido político, perguntando se a CE condena a acção marroquina ao tentar legitimar a ocupação do Sahara Ocidental, com a apropriação de Dakhla como cidade marroquina, ou a sua atitude perante a violação constante dos acordos do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) em matéria de pesca. Estas questões foram colocadas em Outubro do ano passado, por ocasião da participação da empresa Atlas Pelagic, sedeada na cidade saharaui de Dakhla, na Feira dos Congelados de Vigo (Conxemar).

Atlas Pelagic, é uma empresa marroquina dedicada a saquear os recursos naturais do Sahara Ocidental, que representa uma violação dos acórdãos do Tribunal Europeu de Justiça, que expressou em três decisões que o Sahara Ocidental não é um território sujeito à soberania de Marrocos. “É intolerável continuar vendo casos de empresas marroquinas que aproveitam a pilhagem dos recursos naturais do Sahara Ocidental, tornando-se cúmplices de uma ocupação militar ilegítima ao participar do saque do povo saharaui”, disse a coordenadora nacional da Izquierda Unida, Eva Solla. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Sofía Díaz (Esquerda Unida – Galiza) denúncia proselitismo marroquino na concessão do prêmio Mandela da paz a Mohamed VI

“A conceder o Prêmio Mandela a alguém, seria para o saharaui Sidi Mohamed Daddach, o segundo preso político que mais tempo esteve na prisão em África: 25 anos em prisões de Marrocos (a partir de 1976 a 2001), quase tantos como os 27 anos que esteve Nelson Mandela “, diz Sofia Diaz.

Compostela, 19 de janeiro de 2017. “É indigno que, em pleno século XXI, se possa conceder um Prêmio da Paz, com o nome de um revolucionário africano, ao rei de Marrocos”, denuncia Sofia Diaz, responsável de Políticas Sociais da Esquerda Unida ao ter conhecimento da concessão a Mohamed VI do Prêmio Mandela da Paz 2016, outorgado pelo Instituto Mandela da Universidade de Bordéus, que é definido em seu site por ser “um grupo de reflexão para promover a igualdade de oportunidades, favoráveis à economia de mercado, a solidariedade internacional ea unidade africana “.

“O Instituto Mandela é apenas um think tank, um grupo de pressão que camufla seus espúrios interesses, como as políticas de livre mercado que tanto dano fazem a África, fazendo um uso perverso do simbolismo de Mandela. Aproveitar o nome de Mandela para conceder um prêmio a quem promove o Apartheid saharaui, é infame “, destaca. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Comunicado Esquerda Unida (Galiza): Compromisso por um Sahara livre e Defesa dos Direitos Humanos

A Esquerda Unida reitera o seu compromisso por um SAHARA LIVRE e apoia todas as medidas em defesa dos direitos humanos do povo saharaui

Compostela 14 de novembro de 2016.- Há anos que a Esquerda Unida denuncia as ações antidemocráticas de Marrocos e a constante violação dos direitos humanos em relação ao tratamento do seu vizinho Sahara Ocidental. Queremos que o povo saharaui saiba que vamos continuar a apoiar a sua causa e recuperar o referendo sobre a autodeterminação para que os saharauis possam viver em paz e liberdade no seu próprio território.

Esta semana, Eva Solla, deputada em Marea, vice-presidente do parlamento e membro da direção da Esquerda Unida, pelo grupo parlamentar de Marea, instou a Junta da Galiza a incluir no orçamento e financiar o programa “Férias em Paz” “assumindo assim o compromisso eleitoral do PP com co Galega Solidariedade Saharan Pobo (SOGAPS), no valor de 280.000 euros, a fim de garantir a viabilidade deste programa”, disse. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Apresentada proposta não legislativa no Parlamento da Galiza sobre a inclusão dos territórios saharauis na CRPM

Xabier Ron, Esquerda Unida

Xabier Ron, Esquerda Unida

Fonte: Esquerda Unida/ Tradução: porunsaharalibre.org

Xabier Ron: “Se Dakhla e incluida na Conferência das regiões periféricas e marítimas, tal como reivindicado por Marrocos, isso resultaria numa nova violação do direito internacional”

A Conferência das Regiões Periféricas Marítimas (CRPM) será realizada entre 2 e 4 de Novembro nos Açores

Compostela, 27 de outubro de 2016. Xabier Ron, membro da direção da Esquerda Unida e ex-vice-AGE, denunciou esta manhã em conferência de imprensa a sua preocupação pela contínua violação dos direitos do povo saharaui pelo Reino de Marrocos . Um novo exemplo disso seria a incorporação de Dakhla na Conferência das Regiões Periféricas Marítimas “, uma manobra para justificar a ocupação de territórios que pertencem, de forma soberana, ao povo saharaui, conforme reconhecido na resolução da ONU. ” Read more

Ayúdanos a difundir >>>