Marrocos e a sua paranóia expansionista

PUSL.- Mais uma vez, o Reino de Marrocos demonstrou total falta de respeito pelos acordos e leis internacionais ao aprovar na sua Câmara dos Deputados duas leis com as quais pretende anexar as águas do Sahara Ocidental e de Espanha.

Especialista em Marrocos na aplicação do velho ditado espanhol “Rio revolto ganhos para os pescadores”, já o fez em 1975, ocupando ilegalmente o Sahara Ocidental aproveitando a complicada situação do regime de Franco, com a morte eminente do ditador Francisco Franco, faz agora novamente no momento em que a Espanha abre um novo governo de coligação, o PSOE – PODEMOS, com uma forte oposição por parte dos partidos da direita espanhola.

Esta decisão é causada pela grande riqueza da área, pois contém montanhas subaquáticas que contêm diferentes recursos naturais, como cobalto, telúrio e outros minerais de grande valor para a indústria.

A nova distribuição do espaço marítimo que Marrocos pretende é suposto fortalecer o seu controle sobre o território do Sahara Ocidental, uma vez que, para o recálculo da fronteira marítima, assume os territórios ocupados como seus, não indicando Tarfaya como o limite sul mas sim a cidade de La Guera que nunca foi reconhecida pelas Nações Unidas ou por qualquer Estado soberano como sendo marroquina.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Estados exortam Espanha a respeitar os direitos do povo saharaui no Conselho dos Direitos Humanos

WSRW.- A Namíbia e Timor-Leste recomendaram hoje que a Espanha respeite o direito do povo saharaui ao consentimento livre, prévio e informado no que diz respeito à exploração dos recursos naturais do Sahara Ocidental.

A Espanha passou hoje pela sua terceira Revisão Periódica Universal; uma revisão por pares por outros Estados Membros da ONU dos direitos humanos do país.

A Namíbia e Timor-Leste aproveitaram a oportunidade para manifestar as suas preocupações sobre o envolvimento da Espanha no roubo dos recursos naturais do Sahara Ocidental e recomendaram que a Espanha respeitasse o quadro internacional de Empresas e Direitos Humanos e, como tal, respeitasse o direito ao consentimento dado de forma livre, prévia e informado do povo saharaui à retirada de recursos da sua pátria.

Durante as duas revisões anteriores da UPR da Espanha em 2010 e 2015, nenhum Estado tratou da responsabilidade continuada da Espanha em relação ao Sahara Ocidental.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Josie Butler: “Faremos tudo ao nosso alcance para impedir a Nova Zelândia de financiar crimes de guerra”

PUSL.- Josie Butler, do “Sahara Ocidental Solidariedade Aoteroa (Nova Zelândia)”, foi uma das organizadoras dos recentes protestos contra a importação de fosfatos de sangue na Nova Zelândia. Em entrevista ao PUSL, a senhora Butler explicou como os ativistas da Nova Zelândia agem em solidariedade com o Povo saharaui.

Josie Butler, activista indígena da justiça social da Nova Zelândia. Ganhou notoriedade depois de atirar um vibrador a um político para protestar contra o Acordo de Parceria Trans Pacific. Atualmente é organizadora do grupo “Solidariedade do Sahara Ocidental Aoteroa” (Nova Zelândia) e tem fortes laços com vários outros grupos ativistas na Nova Zelândia e no exterior.

– Como se envolveu na questão do Sahara Ocidental?

Um amigo contou-me sobre o problema a meados de 2019 e perguntou se eu poderia ajudar com algumas campanhas locais. Eu nunca tinha ouvido falar do Sahara Ocidental antes, então comecei a ler. Quando descobri o que estava a aconter, fiquei horrorizada. Fiquei ainda mais horrorizada ao descobrir que uma empresa da Nova Zelândia estava a financiar esta atrocidade. Deparei-me com a imagem de um cartaz que os ativistas saharauis haviam feito, que dizia: ‘Nova Zelândia – ajuda nos a impedir a pilhagem “. Decidi fazer tudo o que podia para ajudar.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Eurodeputados suecos pedem a rotulagem de produtos originários do Sahara Ocidental

PUSL.- Charlie Andreas Weimers e Jessica Stegrud, dois eurodeputados suecos do Partido Democrata Sueco, exigem rotulagem dos produtos originários do Sahara Ocidental. Os dois eurodeputados suecos levantaram a questão numa pergunta escrita dirigida à Comissão Europeia em 14 de janeiro.

Recordando a decisão de 12 de novembro de 2019 do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) de validar a rotulagem de produtos de colonatos israelitas na Cisjordânia e nas Colinas de Golã na Síria exportados para o mercado dos vinte e oito países da UE, os eurodeputados suecos questionam :

“À luz desta decisão judicial, tenciona a Comissão garantir a imposição de rótulos de origem para alimentos produzidos em territórios ocupados como o norte de Chipre e do Sahara Ocidental?

Eles também perguntaram se Bruxelas planea aplicar a medida apenas a Israel ou se pretende estendê-la a Marrocos e à Turquia.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Importação de ‘fosfato de sangue’ do Sahara Ocidental pode provocar greves ilegais dos sindicatos dos porto na Nova Zelandia

rnz.co.nz .- As empresas de fertilizantes que importam o chamado “fosfato de sangue” do Sahara Ocidental podem enfrentar greves ilegais dos trabalhadores portuários no futuro, alertam os sindicatos.

Um navio fretado pela empresa Ravensdown, o Federal Crimson, está atualmente a descarregar a última de 51 toneladas de fosfato em Port Chalmers, depois de atracar anteriormente em Napier e Lyttleton.

Em cada porto, o navio foi embarcado por membros da União dos Transportes Ferroviários e Marítimos, que entregaram cartas de protesto ao capitão.

Ravensdown e Ballance Agri-Nutrients importam anualmente cerca de US $ 30 milhões em fosfato do Sahara Ocidental.

O Sahara Ocidental é um território de tamanho semelhante ao da Nova Zelândia. Era uma colônia espanhola, mas foi ocupado por Marrocos em 1975, uma acto condenado pelas Nações Unidas.

O responsável do sindicato, John Kerr, disse que estava “esperançoso” de que as empresas encontrassem fontes alternativas de fosfatos – mas, se não encontrassem, os membros do sindicato poderiam tomar medidas mais drásticas na próxima vez.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Manifestantes em barcos recebem navio carregado de fosfatos de sangue em Christchurch e sindicato entrega carta de protesto

JOSIE BLOSSFIELD / FORNECIDO / Stuff.co.nz/ PUSL

Hoje, manifestantes da Nova Zelandia receberam um navio carregado de fosfatos à chegada a Christchurch, pedindo às empresas da Nova Zelândia que parassem de importar o controverso fertilizante.

Na segunda-feira, o navio cargueiro “Federal Crimson” chegou a Lyttelton transportando 50.000 toneladas de fosfato do território ocupado do Sahara Ocidental.

Foi recebido por uma frota de paz composta por 15 caiaques, um iate e um ferry com mais de 100 crianças em idade escolar. Outros 80 ativistas de direitos humanos estavam em terra a cantar canções saharauis pela libertação.

A União Ferroviária, Marítima e de Transporte embarcou no navio à chegada, entregando uma carta de protesto ao capitão.

Os fosfatos de sangue do Sahara Ocidental ocupado é propriedade ilegal do exportador marroquino OCP até que seja descarregado. Três dessas remessas chegam anualmente.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Ativistas e sindicato da Nova Zelândia preparam protesto contra fosfatos de sangue

Scoop Independent News.- O cargueiro corporativo de Ravensdown que trasnporta “fosfatos de sangue” está atualmente ancorado no mar perto de Christchurch, na tentativa de evitar manifestantes em Lyttelton, Christchurch, Nova Zelândia. Fontes da Lyttelton Port Company informam que o navio permanecerá ancorado por mais de 36 horas e só atracará às 23h de 8 de dezembro.

Ativistas locais de direitos humanos estão a planear uma ‘flotilha de paz’ para a chegada do navio, para protestar contra a importação de fosfatos dos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

A organizadora local Josie Butler afirma que a “Ravensdown está a financiar diretamente crimes de guerra importando o fosfato dos ocupantes marroquinos do Sahara Ocidental”. O navio transporta mais de 50.000 toneladas de ‘fosfatos de conflito’ do território não governado do Sahara Ocidental. O grupo de Christchurch, ‘Ravensdown- Take’ Em Down ‘, está a organizar uma flotilha de protesto, inspirada nos Esquadrões da Paz – que foram fundamentais na campanha da “NZ Nuclear Free” (Nova Zelandia livre de Nuclear).

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Sindicato dos trabalhadores portuários da Nova Zelândia protesta contra chegada de navio de fosfatos de sangue extraídos no Sahara Ocidental

Fuseworks Media.- A União dos Transportes Ferroviários e Marítimos (RMTU) da Nova Zelândia , representando os trabalhadores portuários do porto de Napier, entregou hoje uma carta de protesto ao capitão de um navio que transporta fosfatos de, sangue extraído no Sahara Ocidental que chegou ao porto esta manhã.

“O navio fretado por Ravensdown, o Federal Crimson, carregando uma carga de fosfatos de, sangue extraídos no Sahara Ocidental e sendo importado para a Nova Zelândia, atracou hoje em Napier”, disse o secretário geral da RMTU Wayne Butson.

‘No mês passado, o Conselho de Sindicatos (CTU) aprovou uma resolução condenando a ocupação ilegal do Sahara Ocidental por Marrocos e exortando o governo da Nova Zelândia a interromper a importação de fosfatos da região. Como afiliado da CTU, a RMTU registou nosso protesto junto do capitão da embarcação a quem foi entregue uma carta que incluía a resolução da CTU ”, disse ele.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Consórcio italiano e Siemens violam lei internacional apoiam ocupação marroquina

PUSL.- Marrocos assinou acordo de energia eólica entre o Escritório Nacional de eletricidade e água potável (ONEE) do reino marroquino e a Agência Marroquina de Energia Sustentável (MASEN marroquina Nareva Holding e o consórcio italiano Enel Green Power em Rabat na semana passada no valor de 377 milhões.

O consórcio “Nareva Holding – Enel Green Power”, associado ao “Siemens Gamesa Renewables”, venceu o concurso internacional em 2016 para o desenvolvimento, design, financiamento, construção, operação e manutenção do Projeto Integrado de Energia Eólica de 850 MW.

O novo parque eólico de Boujdour está localizado a cerca de 7 km a nordeste da cidade de Boujdour (Sahara Ocidental ocupado) e as obras estão previstas iniciar em 2021

Outro projeto marroquino de lavagem verde que desrespeita o direito internacional e não traz benefícios para a população saharaui que vive nos territórios ocupados.

Cada novo “acordo” abre oportunidades para mais colonos marroquinos chegarem aos territórios ocupados. As autoridades marroquinas negam emprego à população saharaui, mas oferecem empregos mais bem pagos aos colonos marroquinos e também nenhum pagamento de impostos, além de outros benefícios para povoar os territórios ocupados.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Manifestantes preparam flotilha de protesto para receber navio de carga carregado de fosfato que chega a Christchurch

stuff.co.nz – PUSL.- Os manifestantes estão a planear uma flotilha no porto de Lyttelton, Nova Zelândia, para protestar contra um navio que transporta fosfato do Sahara Ocidental por Ravensdown Fertilizer.

Um sindicato dos trabalhadores portuários tem preocupações com a segurança e está desapontado porque o protesto alternativo propostos, uma carta entregue à tripulação do navio, foi rejeitada pela empresa importadora, a Ravensdown.

Ravensdown afirma que está a negociar legalmente e dentro das expectativas das Nações Unidas.

O navio Federal Crimson deve chegar a Lyttelton no início de dezembro, transportando 51.000 toneladas de rocha fosfática, depois de parar no porto de Napier de 30 de novembro a 1 de dezembro.

Três dessas remessas chegam anualmente. O fosfato é a carga da OCP o exportador marroquino de fosfato até ser descarregado.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Protestos na Nova Zelândia contra “fosfatos de sangue” continuam

PUSL.- Desde agosto deste ano, ativistas da Nova Zelândia protestam constantemente contra a importação de fosfatos originários do Sahara Ocidental e vendidos ilegalmente por Marrocos.

Hoje, a organização “Climate Justice Taranaki” trancou o portão da fábrica de fertilizantes Ravensdown, bloqueando caminhões, devido as conexões da empresa com muitas questões ambientais e sociais, sendo a mudança climática a número um.

“Fechamos o portão aqui em Ravensdown hoje para destacar o facto de que esta empresa como ela é, deve ser fechada … O fertilizante Ravensdown é derivado de gás, combustível fóssil e ‘fosfatos de sangue’ retirados do Sahara Ocidental sob ocupação militar. Quando usado, o fertilizante emite óxido nitroso, que é um gás de efeito estufa 400 vezes pior que o dióxido de carbono.”

Read more

Ayúdanos a difundir >>>
1 2 3 7