Audiência Nacional Espanhola reconhece o estatuto de refugiado político a Hassanna Aalia

Hassanna Aalia, junto al abogado Javier Canivell y Patricia Bárcena, directora de CEAR Euskadi. (ARGAZKI PRESS)

Fonte: NAIZ

Após 5 anos, a Corte Nacional espanhola reconheceu o estatuto de refugiado político a Hassanna Aalia, ativista saharaui, que na conferência de imprensa em Bilbo mostrou a sua satisfação e agradeceu aqueles que o apoiaram. “Vamos comemorar quando todos os prisioneiros e refugiados saharauis estejam em liberdade.”

Hassanna Aalia recebeu o estatuto de refugiado político. A Corte Nacional espanhola reconheceu o estatuto de refugiado político a Hassanna Aalia. O activista saharaui que passou cinco anos a lutar por esse estatuto e contra a reivindicação de Marrocos para a extradição e a ordem de expulsão emitida pelo Estado espanhol.

O jovem saharaui agradeceu o apoio recebido durante este longo processo de cinco anos e ficou feliz com a notícia. No entanto, ele observou que só vai comemorar “, quando todos os prisioneiros e refugiados saharauis estejam livres.”

Leer más …Audiência Nacional Espanhola reconhece o estatuto de refugiado político a Hassanna Aalia

Uma prisão perpétua “surreal”

Hassana01--644x362

Fonte: abc.es

Um saharaui condenado por Rabat a quatro meses é punido com prisão perpétua, meses mais tarde pelos mesmos factos. Aalia, um fugitivo para Marrocos, está à espera de uma resposta ao seu pedido de asilo em Espanha.

“Pela primeira vez na minha vida eu senti-me livre”, diz Hassana Aalia (nascido em El Aaiun, 1988), recordando o acampamento de protesto Gdeim Izik erguido no Sahara Ocidental em 2010. Milhares de saharauis participaram nele durante um mês até que o Exército de Marrocos o desmantelou pela força a 8 de novembro. Nos distúrbios morreram mais de uma dúzia de pessoas, a maioria agentes marroquinos, de acordo com a Human Rights Watch (HRW).

Aalia foi condenado em 14 de Fevereiro de 2011 a quatro meses de prisão, que não teve que cumprir uma vez que não tinha antecedentes . Foi provado, que não tinha participado em ataques contra as forças de segurança marroquinas, de acordo com um relatório da Associação Internacional de Observação dos Direitos Humanos (AIODH).

Leer más …Uma prisão perpétua “surreal”

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies