Mohamed VI reitera que não está disposto a respeitar as decisões da ONU para um referendo no Sahara Ocidental

PUSL.- Em seu discurso no trono, o rei marroquino Mohamed VI afirmou, em relação ao Sahara Ocidental, que “Marrocos permanece decidido e sinceramente comprometido com o processo político, sob a égide exclusiva da Organização das Nações Unidas”, mas no parágrafo seguinte contradiz esta declaração imediatamente ao reiterar que ” o caminho para alcançar o acordo desejado não pode ser outro senão através da plena soberania marroquina e no âmbito da iniciativa de autonomia “.

Mais uma vez, Marrocos deixa claro, o rei e o seu séquito estão determinados a continuar a ocupação do Sahara Ocidental, que invadiram em 1975. O acordo de cessar fogo, assim como todas as decisões da ONU, não são algo a ser levado em consideração. a única “negociação” válida para Marrocos é rejeitar todas as decisões da ONU, do Tribunal Internacional, da União Africana e do Tribunal de Justiça da União Européia e implementar o “plano de autonomia”. Marrocos não quer respeitar o que assinou e, por alguma razão, isso parece não incomodar a ONU e especialmente o Conselho de Segurança.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Direitos Humanos são propriedade do Estado Marroquino

Por Isabel Lourenço / Jornal Tornado

No passado dia 5 de Abril o rei de Marrocos anunciou o novo governo. Uma das novidades é a reactivação do Ministério dos Direitos Humanos que tinha sido extinto em 2002.

O circulo de controle absoluto do Rei de Marrocos fica assim concluído, uma campanha de décadas de erradicação de qualquer tipo de denúncia das gravíssimas violações de direitos humanos por parte de entidades independentes ou organismos internacionais, foi alcançado.

Na última década foram criadas uma série de entidades de direitos humanos estaduais e governamentais que incluem a Delegação Interministerial para os Direitos Humanos, o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e um Mediador de direitos humanos.

Marrocos criou assim um Marketing em torno de um “Reino desenvolvido e com atenção aos direitos humanos” e conseguiu financiamento de somas obscenas da União Europeia e o silêncio do ACDH (Alto Comissariado para os Direitos Humanos) da ONU. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Destruição de rodovias e pontes no Sahara Ocidental e sublevações em Marrocos evidenciam os pontos fracos de M6

m6-debilidades

4 de novembro de 2016, porunsaharalibre.org

Na ultima semana as chuvas torrenciais assolaram os territórios ocupados do Sahara Ocidental, e em especial a capital, El Aaiun.

O rio que divide a cidade e desagua no mar transbordou as suas margens arrastando tudo o que encontrou no caminho, gado, carros, pessoas, edifícios, estradas e pontes.

Para além de algumas mortes e um grande prejuízo para a população saharaui, também teve um efeito paralisante no transporte de todos os recursos naturais e pesca que Marrocos rouba ilegalmente neste território.

Apesar da grande propaganda e o teatro montado pelo ocupante ilegal, o Reino de Marrocos não investe efetivamente em nada nos territórios ocupados que não esteja directamente ligado ao saque selvagem. Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Sahara causa nacional e sagrada e 2016 um ano afirmação diz Mohamed VI no 17º aniversário do trono

m630 de julho 2016, porunsaharalibre.org

Este sábado dia 30 de Julho, o discurso do Rei de Marrocos, Mohamed VI, proferido por ocasião do 17º aniversário da subida ao trono, foi claro, Marrocos não abdica do Sahara ocidental, e quer integrar a União Africana sem a presença da RASD (República Árabe Saharaui Democrática).

Mohamed VI deixou um aviso à comunidade internacional, dizendo que:
“A política externa do nosso país é baseada em palavras e ações, seja ao defender a causa do Sahara marroquino, diversificando parcerias ou abordar questões e problemas internacionais actuais. Se alguns estão tentando fazer 2016 um ano da decisão, para Marrocos é um ano de determinação, no que respeita a nossa integridade territorial. ” Read more

Ayúdanos a difundir >>>

A estranha ofensiva de Mohammed VI. Após a ONU, Marrocos em confronto com a Tunísia e os EUA

Mohammed VI

23 de maio de 2016 por porunsaharalibre

Por: Abla Cherif – Argel (Le Soir dAlgerie.com) – Tradução: Poemario para Sahara Libre/porunsaharalibre, 21/05/2016

O rei de Marrocos decidiu saltar de cabeça numa estratégia de confronto de resultado incerto. Alarmados com a perspectiva de perder a batalha do Sahara Ocidental, cruza espadas, por vezes violentamente, com qualquer um que contradiz ou possa contradizer a sua lógica.

Mohammed VI não hesitou em participar numa primeira guerra contra as Nações Unidas e, em seguida, contra instituições norte-americanas acusando-as de terem mudado o curso do seu posicionamento no conflito do Sahara Ocidental. Os últimos dias mostraram também a lógica louca em que o monarca embarcou através das reações que se seguiram à publicação de um relatório do Departamento de Estado dos EUA, onde eram denunciados os graves abusos dos direitos humanos neste país. Este documento, publicado anualmente, a instituição sugere a persistência de problemas como a corrupção, o uso quase sistemático da força, tortura e condições de detenção miseráveis em prisões marroquinas. O mesmo relatório indica que a justiça marroquina, por vezes, “carece de independência e o direito do acusado a um julgamento justo (…) o governo marroquino, por outro lado viola as liberdades de expressão e de imprensa através de perseguição e detenção de jornalistas seu trabalho sobre temas considerados sensíveis. “Foi o suficiente para que o rei gritasse “manipulação”. Read more

Ayúdanos a difundir >>>