Relator especial das Nações Unidas para os defensores dos direitos humanos renova as suas graves preocupações com o detido saharaui Walid El Batal

PUSL.- Nas Observações da Adenda sobre as comunicações transmitidas aos governos e as respostas recebidas sobre o Relatório do Relator Especial sobre a situação dos direitos humanos, é feita uma menção especial ao caso do prisioneiro político saharaui Sr. Walid El Batal e à situação dos Defensores dos Direitos Humanos sujeitos a intimidações destinadas a desencorajar o seu trabalho no campo dos direitos humanos e limitar o exercício dos seus direitos à liberdade de associação e liberdade de expressão.

No parágrafo 702, da Adenda pode-se ler:

702. Com relação ao caso do jornalista saharaui Sr. Walid El Batal, o Relator Especial renova as suas graves preocupações com a sua prisão e detenção, desde denúncias de violência supostamente cometida pela polícia no momento da sua detenção e interrogatório até denúncias de confissão sob coação e falta de respeito às garantias de um julgamento justo. O Relator Especial também se preocupa com o facto que de acordo com as informações recebidas os defensores de direitos humanos no Sahara Ocidental são regularmente sujeitos a intimidações destinadas a desencorajar o seu trabalho no campo dos direitos humanos e limitar o exercício dos seus direitos à liberdade de associação e liberdade de expressão.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Ativista saharaui Toumana Deida Yazid em liberdade condicional

PUSL.- Toumana Deida Yazid, uma conhecida ativista saharaui, sequestrada ontem, 13 de março, às 9 da manhã em frente à sua casa em El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupada por agentes das forças de ocupação, foi posta em liberdade condicional hoje.

As autoridades marroquinas de ocupação impuseram uma multa de 2.000 dirham à ativista e ela foi convocada para julgamento para o próximo dia 4 de abril.

Toumana Deida Yazid é acusada de “conexões” com o grupo de Ali Saadoni, outro ativista conhecido cujos “crimes” são exibir a bandeira nacional saharaui em público e rejeitar a nacionalidade marroquina.

Yazid, mãe de 7 filhos, é prima de Abdallahi Abbahah, prisioneiro político do grupo Gdeim Izik e filha da conhecida ativista Deida Uld Esid, que morreu em 2018.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

A activista saharaui Toumana Deida Yazid sequestrada pela policia marroquina ontem de manhã

PUSL.- Toumana Deida Yazid conhecida activista saharaui foi sequestrada ontem, 13 de Março, às 9 da manhã em frente da sua casa em El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupado, por agentes das forças de ocupação.

Ao agentes, que estavam em roupa à paisana, chegaram numa furgoneta e duas motas sequestrando a Sra. Yazid em plena luz do dia na rua diante da sua casa e depois levada para a esquadra da policia.

Até ao momento não tem advogado de defesa e será presente ao procurador do Rei nos próximos dias.

A Sra. Yazid é mãe, tendo 7 filhos menores e é prima de Abdallahi Abbahah, preso politico do grupo de Gdeim Izik.

Filha do conhecido activista Deida Uld Esid que faleceu em 2018, a Sra. Yazid é acusada de “ligações” ao grupo de Ali Saadoni, outro activista conhecido cujos crimes são exibir a bandeira nacional saharaui em público e recusar a nacionalidade marroquina.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Presos políticos saharauis do grupo Gdeim Izik sofrem um tratamento desumano continuado

PUSL.- Dois anos e oito meses após o último julgamento do grupo de presos políticos conhecido como Grupo Gdeim Izik, estes 19 saharauis detidos nas prisões marroquinas continuam a ser objeto de maus tratos.

Os presos políticos de Gdeim Izik continuam a ter falta de assistência médica, a qual é repetidamente recusada pelas autoridades marroquinas, embora a maioria sofra de doenças crónicas e outras resultantes de quase dez anos de encarceramento, tortura e isolamento.

A maioria destes prisioneiros está em isolamento prolongado desde a sua dispersão em diferentes prisões em 2017. Essa forma de punição é considerada uma das piores torturas que tem não apenas um sério impacto psicológico, mas também físico.

As restrições ao contato com suas famílias devido não apenas às longas distâncias a que as prisões estão localizadas de El Aaiun (642 a 1300 km), mas também à negação arbitrária dos direitos de visita e ao facto de as chamadas telefónicas serem reduzidas a alguns minutos por semana aumentam o fator de isolamento.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Eurodeputados enviam carta ao Presidente da Comissão Europeia, Alto Representante da FASP e ao Presidente do Conselho Europeu preocupados com a ativista saharaui Mahfouda Lefkir

PUSL.- 30 eurodeputados enviaram hoje uma carta à Presidente da Comissão Europeia, Sra. Ursula Von Der Leyen, Vice-Presidente e Alta Representante da FASP, Sr. Josep Borrell, e ao Presidente do Conselho Europeu, Sr. Charles Michel, sobre Mahfouda Lefkir, ativista saharaui, mãe de 34 anos, recentemente condenada a 6 meses de prisão.

Deputados de vários grupos políticos (Grupo da Esquerda Unitária Europeia – Esquerda Nórdica Verde, Grupo dos Verdes / Aliança Livre Europeia, Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu, Grupo do Partido Popular Europeu – Democratas-Cristãos e deputados não-inscritos) expressaram a sua preocupação com o estado de saúde da Sra. Lefkir e a falta de assistência médica e as condições de detenção.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

“Justiça marroquina” ratifica condenação da ativista saharaui Mahfouda Elfakir

PUSL.- Ao meio-dia de hoje, teve lugar o julgamento do recurso da ativista saharaui Mahfouda Elfakir, no qual o juiz ratificou a sentença de 6 meses de prisão e o pagamento de uma multa de 2.000 dirhams, emitida em 27 de novembro. O julgamento foi realizado no tribunal de El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupado

A audiência foi realizada sem a presença de observadores, permitindo apenas a entrada do pai de Mahfouda.

Note-se que o advogado de defesa de Mahfouda recebeu a documentação do julgamento do dia 27 e as informações e documentos do julgamento realizado hoje, no final da tarde de ontem, de modo que a defesa da ativista foi reduzida devido ao tempo limitado disponível para preparar o arquivo.

A jovem mãe, membro da associação “Coordenação de Gdeim Izik” e da Associação Marroquina de Direitos Humanos, foi presa na sala do tribunal de El Aaiún sob o pretexto de “agredir um funcionário” quando indagou sobre o caso do seu primo Mansour Elmoussaoui, de 15 anos, condenado a 1 mês de prisão. Mansour foi preso no dia 28 de outubro e acusado de ter participado das comemorações da vitória da equipe argelina na Copa da África.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Amanhã, quinta-feira, realiza-se julgamento da ativista saharaui Mahfouda Elfakir

PUSL.- Segundo informações recebidas da família de Mahfouda Elfakir, o advogado da ativista saharaui foi informado de que durante o dia de amanhã, quinta-feira, 12 de dezembro, será realizado o julgamento de recurso.

Mahfouda foi condenada a 6 meses de prisão em 27 de novembro.

O julgamento será realizado dois dias após a expulsão da activista de direitos humanos Isabel Lourenço, que planeava visitar à familia da activista para conhecer a sua situação.

A jovem mãe, membro da associação “Coordenação de Gdeim Izik” e da Associação Marroquina de Direitos Humanos, foi presa na sala do tribunal de El Aaiún sob o pretexto de “agredir um funcionário” quando indagou sobre o caso do seu primo Mansour Elmoussaoui, de 15 anos, condenado a 1 mês de prisão. Mansour foi preso no dia 28 de outubro e acusado de ter participado das comemorações da vitória da equipe argelina na Copa da África.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Activista saharaui Mahfouda Lefkir condenada a seis meses de prisão

PUSL.- Segundo informação do Sr. Bomba pai de Mahfouda Lefkir a activista foi condenada a 6 meses de prisão.

A sentença é baseada no facto Mahfouda ter interpelado o juiz no passado dia 15 de Novembro no final do julgamento do seu primo Mansour Elmoussaoui de 15 anos.

Hoje no final do seu julgamento Mahfouda declarou ao juiz que a sua condenação nada tem a ver com a acusação. É uma condenação pelo meu activismo, pelo meu trabalho, pelo facto de ser saharaui e defender e ansiar a nossa independência, disse a jovem mãe.

O tribunal de El Aaiun esteve sob cerco policial e não houve observadores internacionais presentes. No julgamento estavam o pai e irmãos de Mahfouda e alguns amigos da família.
O advogado de Mahfouda vai apresentar recurso no prazo autorizado por lei.
A sentença excede em 4 meses as penas máximas usualmente atribuídas em Marrocos por desrespeito ao tribunal.

A casa da família de Mahfouda está sob cerco policial e ninguém é autorizado a sair ou entrar na casa.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Preso político saharaui Salik Abdi Mubarak condenado a cinco anos de prisão

PUSL.- A segunda câmara do Tribunal de Recurso na cidade de El Aaiun, Sahara Ocidental ocupado, condenou na terça-feira 26 de novembro de 2019, Salik Abdi Mubarak a cinco anos de prisão.

O Tribunal de Apelação e todos os becos e ruas principais estavam sob um cerco policial apertado para impedir que a população saharaui entrasse no tribunal e apoiasse o ativista saharaui Abdi Mubarak.

Salik Abdi Mbarek foi preso arbitrariamente na rua na cidade ocupada de Smara a 7 de junho de 2019 no dia da recepção do preso político saharaui Salaheddine Labsir que foi libertado.

Salik Abdi Mbark foi brutalmente espancado por oficiais de inteligência marroquinos em roupas civis com cassetetes.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

PRESO POLÍTICO SAHARAUI LAHOUCINE AMAADOUR (HUSEIN BRAHIM) CONDENADO A 12 ANOS

PUSL.- Hoje, o tribunal de recurso de Marraquexe condenou o jovem saharaui Lahoucine Amaadour a 12 anos de prisão.

Vários observadores internacionais estiveram no julgamento.

O julgamento do Sr. Amaadour foi adiado várias vezes. O jovem ativista esteve detido desde 17 de janeiro de 2019 sem ser julgado. 314 dias de detenção arbitrária sem julgamento, que está muito além do prazo estabelecido pela lei marroquina de 30 dias renováveis por duas vezes.

Mais informações sobre este caso aqui: https://porunsaharalibre.org/pt/?s=Amaadour

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Condições de detenção de Mahfouda, activista Saharaui, violam as Regras Mínimas da ONU para o Tratamento de Reclusos

PUSL.- Mahfouda Lefkir recebeu hoje a visita do Pai e dos seus filhos. A jovem mãe e activista saharaui está detida desde dia 15 de Novembro (ver noticia aqui).

Segundo o Sr. Bomba, pai de Mahfouda, as condições de detenção a que está sujeita não correspondem as regras Nelson Mandela – RNM (Regras Mínimas da ONU para o Tratamento de Reclusos).

Para além de continuar com vertigens fortes e fortes dores de cabeça resultantes não só da condição médica anterior mas também do ataque e espancamento recebido pelos guardas quando a retiraram do Tribunal e a forçaram a entrar numa carrinha de presos de delito comum masculinos.

A medicação que necessita tomar diariamente é sob forma de gotas que têm que ser misturadas com água. Os guardas que agora já lhe dão a medicamentação não preparam a mistura à sua frente e Mahfouda recusa-se a tomar o copo de água lhe dão visto não confiar nos guardas.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>
1 2 3