Sidahmed Lemjeyid, prisioneiro político saharaui, vítima de negligência médica extrema, denuncia a família

PUSL.- Sidahmed Lemjeyid, prisioneiro político saharaui do Grupo Gdeim Izik, atualmente detido na prisão de Ait Melloul, condenado a prisão perpétua, foi levado ontem (26 de setembro) ao hospital de Agadir, após sentir dores insuportáveis ao longo do corpo.

No hospital, foi feita uma ressonância ao lado esquerdo do corpo, costas e rins. Ele foi levado de novo para a prisão directamente à enfermaria para fazer análises de sangue. Nenhuma explicação foi dada ao Sr. Lemjeyid e ele foi novamente levado para a sua cela.

Hoje (27 de setembro) o estado de saúde do Sr. Lemjeyid piorou e ele foi transportado novamente para o hospital, onde foi visto por um médico que prescreveu vários medicamentos. Segundo esse médico, o Sr. Lemjeyid sofre de um grave inchaço no lado esquerdo do corpo e nos rins. Esta situação, bem como a dor nas costas, é o resultado de frequentes complicações de saúde desde a sua detenção em 2010 e as graves torturas de que foi vítima, além de negligência médica intencional por parte das autoridades marroquinas.

Read more

Ayúdanos a difundir >>>

Família impedida de visitar o preso político saharaui Sidahmed Lemjeyid

PUSL.- Segundo informações recebidas da família, a administração penitenciária impediu várias vezes a visita a Sidahmed Lemjeyid, preso político saharaui, atualmente detido na prisão local de Ait Melloul 2.

A administração da prisão local de Ait Melloul, na periferia da cidade de Agadir, sul do Marrocos, negou na passada segunda-feira, 7 de janeiro de 2019, o direito de visita de família do preso político saharaui do Grupo Gdeim Izik.

A administração prisional negou o direito de visita três vezes nos ultimos meses, em 24 de dezembro, 2 de janeiro e 7 de janeiro, em violação da lei marroquina relativa aos direitos dos prisioneiros.

A administração da prisão não deu qualquer justificação para a negação arbitrária da visita da família.

A família Lemjeyid protestou por várias horas em frente à prisão, mas não recebeu nenhuma explicação. Read more

Ayúdanos a difundir >>>